segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Ondas

Minha idéia é ondulante
Nasce distante e cai aqui
Num quase encaracolar
De pensamentos e poemas

A gente da condução
O grito do transeunte
O papo lá na cantina
O canto no pé do ouvido
Unindo se faz a rima

Unindo a rima...

Eu espelhante
Meio ao entulho
A poética dos vícios literários

Minha idéia é circulante
Morre distante, longe daqui
Num mais-que-perfeito efeito
De tormento e anarquia...
...da cabeça pro papel.

Dan...etc.

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

Possuir idéias circulantes, é poder amaducer-se a cada instante.

Parabéns pela "nova" poesia, Dan...etc.

=]

Abração!