quarta-feira, 5 de novembro de 2008

fim.


Por fim...

um céu repleto:

mar de estrelas;
lua-centelha;
astro-cancela;

é a porta...
marte, vênus...
o escorpião que nunca enxergo.

Um céu repleto
célebre

me despeço
pensando...sem pensar em dar adeus.

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

Por fim, dois mundos se separam e cria-se um novo.

Gostei dessa cara nova do blog, senhor querido poeta!

;)

Abraço!