sexta-feira, 17 de agosto de 2007

DELÍRIO

Dos meus delírios
Um só cabe ao meu coração
Um só me faz reduzir a alma
A um singelo eu te amo
E desperta sem pressa
Um sorriso de ternura
Vestido de arte
E da parte do meu ser...
Que a ti pertence.

Danilo Cândido, 2007.

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

^^

Delírio que tem que ser controlado peloas apaixonados...

Delírio que não se controla.. Porque é tão complicado e difícil!

Ótima poesia...

=)