sábado, 20 de junho de 2009

Incognoscível

Lágrima que tomba
No rosto ferido de dor
Onde não se compra
Nenhum pouquinho de amor

Esta rima inútil e pobre
É para esfalfar minha idéia
Como o último sendo
Um verso primeiro

Deste imprevisto, à ela
Me reporto com o desdém
De quem não o escreveu

Por isso, antes eu vivo
O desconhecido
E transcrevo tudo que
Não se sabe donde veio

Findo no meio,
Castro o poema
Para deixá-lo menos comum

Eis a estupidificação de mim mesmo
Caçoem mas assoem antes de tossir.

Nova Cruz, 2007. Todos os direitos reservados ao autor.

2 comentários:

Angelo A. P. Nascimento disse...

A poesia nos concede o dom de organizar e desorganizar pensamentos e sentimentos. Retratam o coração.
Linda poesia, amigo!

Keidy Lee Jones disse...

"Por isso, antes eu vivo
O desconhecido
E transcrevo tudo que
Não se sabe donde veio"...

São as inspirações, não somente da escrita, mas da vida!
abs.