terça-feira, 2 de junho de 2009

Pedaço do vazio.

Reescultura tua silhueta sob a luz dos desolados sóis
Peixes aos anzóis
Eu tu ele a sós...
E nós...a desatar.
Ateia fogo
Aguaceiro abaixo
Risco no tacho final da panela
Para ela
O mundo é mais sorridente
Vide o sol
Que nasce por detrás daqueles montes

Investidura recente de minhas idéias postas ao túmulo dos pensamentos
Lia tormento, quando se escrevia amor.

14 de fevereiro de 2009. Todos os direitos reservados.

2 comentários:

Nobre Epígono disse...

Vazio que uma hora torna-se cheio. Cheio de pensamentos, cheio de "amor", de "paixao"... De POESIA!

Belo.

;)

Arthur Dantas disse...

gosto de te ler pq vc sempre me proporciona pensamentos...

Lia tormento, quando se escrevia amor!