quinta-feira, 4 de junho de 2009

Interpretações não óbvias, as entrelinhas, os mínimos detalhes. A poesia é o espírito do poema, o poeta é algo semelhante ao períspirito, uma ponte, um elo, entre a “alma” (poesia), e o “corpo” (o poema).

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

És tudo isso e muito mais. Não tenho dúvidas. Ligação de fatos consumados... E/ou fatos sonhados. Poeta das entrelinhas...

As interpretações são muito subjetivas, não é mesmo? Mas quem lê aquelas tantas frases, sente-se contornado nelas. Ora verdades, ora mentiras. O escritor e o poeta tem disso.

Como sempre, belíssimo! Digno de um futuro livro desse geógrafo, amigo, poeta e em breve linguista. Quero o autógrafo em primeira mão!

Abraços fortes, Dan.