sábado, 22 de setembro de 2007

Condição

Na condição de homem
Eu cumpro
Na condição de menino
Reclamo
Na condição de poeta
Declamo
Na condição de gente
Eu grito!

Há de haver
Ter de teremos
Ser de já somos

Verei nascer ou rebentar
Direi dizendo o que calar
Serei do mar, como o peixe é
Terei o peixe pra matar a fome
Qual é teu nome?
Qual é?

Tem de haver
Havemos de ter
Seremos quem somos

Sou mais um destes
Ou menos um
Que vai escrever pra desarmar
Que vai amar depois de ler
Depois pro mar, onde afogar
Indica liberdade!

Embora tarde pareça ser
Tarde jamais será
Inda mais se falando de mar
Que se deixa navegar por ele mesmo

Há de ter
Terá de existir
Nem que seja longe daqui
E a condição pra se deixar
É a mesma de todo poeta
Amar e amar...


Danilo Cândido.

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

Não tenho condições de de comentar essa sua poesia...

Dei uma viajada legal!

=~