sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Saber


Sou eu quem?
Digo que sou nada mais que ninguém
Sou brisa, sou brasa
O próprio inferno!
A fulga e o medo de errar
O erro que me impede o acerto
Rima sem rima...
Amor sem poesia
Eu, quem sou?
Sou aquele palerma que tem o controle...
...mesmo que seja o remoto
Já não sou mais tão certo das coisas
Sou aquele indigente sem nome
A fome dele, também sou eu
Já não sou tão entusiasta
Perdi a força, busquei a farsa
A farsa.
Agora eu sei quem eu não sou.

Danilo Cândido, setembro de 2007.

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

Hummm...

Saber... Ser... Saber... Ter... Que ser... Pra saber ser..

[ besteiras na minha cabeça ]