quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Asco

Minha aversão destoa
Como faz o vento,
cria voz num zunido
que não se traduz.

Vem-me à boca um asco
Um casco de asno
Num semblante infeliz de paisagem
Sem dor.

Pouso num nada e passo a filmar
esta gente...
Os furtos, os fartos dos roubos
Os da gravata, os do “fumê”...

Os da vidraça, os do morro
Os que matam...
E os que vão morrer.

Decantar em desencanto
Uns cantos com refrão de paz,
pra quem sabe
dar sentido à luta e sair bem visto.

Pra depois...
Os da farda
Os da farsa
Os da forra
Darem o tom.

Na soleira do meu nojo
Meu invento ressoa
Pra dar nota ao protesto
Lê-se aqui manifesto
Deste abrigo de ratos
Codinome Brasil.

Danilo "brasileiro" Cândido. 2007.

2 comentários:

Nobre Epígono disse...

Lindas poesias como sempre, Dan!

=)~


Abraço!

gusstanley disse...

Eita!
to vendo que eu perdi muita coisa por aqui =\...
quem sou eu pra falar isso , mas poxa , vc evolui demais cara!!!
brilhante....como sempre!!!
abraçosss

"O Poeta é um céu aberto,
suas palavras pairam no ar,
Com um sorriso pintado de anil,
usa os versos para ao mundo...falar...." by Gus Stanley