terça-feira, 9 de outubro de 2007

Defino a mim mesmo, como um fino pedaço de qualquer coisa que a qualquer momento se romperá, resultando num outro pedaço de qualquer coisa que não servirá para nada.

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

Não servirá para nada, nada!

Hunf!