quarta-feira, 7 de março de 2007

MOLDE

Modulador...
Em meio a dor...modula
Não sinto a dor...e sinto
Me sinto bem ...a cura
Me sinto mal...mal tempo
Me sinto o tempo...insisto
Mesmo com dor...dormente
Me adula a dor... que passa
Modula amor que faça...
Que faça de mim meu tempo
Que assim de fato há cura
A dor modulada...adulada pelo amor
O amor bem amado, faz do tempo um infinito
Onde dor é mais prazer do que propriamente dor

Copyright © 2007 by Danilo Cândido Todos os direitos reservados ao autor

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

oO

Hunf! Molde... Fugiu dos meus pensamentos, como a velocidade de uma gotícula caindo pelas corolas simpétalas de uma flor, as palavras que eu iria interpretar esse poema.

Hahahaha...

x)