quinta-feira, 15 de março de 2007

PULSANTE!



(In)pulso! Repulso e expulso
Nos nossos ante passos...aquela dita salvação
Se faz em mim como um dilema...
Sou eu meu tema...então me tema...
Me toma a veia e bebe o sangue...
Embebe e usa, reutiliza, depois idéia morta
De sangue avermelhado em cor...deixa de ser...
E passa por, por vida minha a ser...se for
A poetisa, ou o poeta, poema afora...
Enquanto o pulso pulsantemente
Expulsa o culto da minha mente
E repudia o “mundo-gente”
Pulsante...pensante...
Mas não distante...

Copyright © 2007 by Danilo Cândido Todos os direitos reservados ao autor

Um comentário:

Nobre Epígono disse...

Hello,
Is there anybody in there?
Just nod if you can hear me
Is there anyone at home?

(Confortably Numb - Pink Floyd)

x]

Só lembrou essa música.